sábado, março 29, 2008

Nas Margens de um Poema

Imagem retirada aqui


Nas margens de um poema eu te deixei
Não por teres um significado
demasiadamente pequeno na minha vida,
mas por me guiares sempre até à minha foz.
Por desenhares comigo nos vales montanhosos
as curvas da vida.
Por me acompanhares tanto nas quentes tardes primaveris
como nas gélidas noites de Inverno.
Por seres capaz de deixar o teu poema,
para vires partilhar comigo o meu.
Por seres quem és,
Sento-te cuidadosamente na margem do meu poema!

3 comentários:

Kazilar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Calimera disse...

Olá
Dizes que o sentas na margem do teu poema, mas eu senti que o tens no Meio do teu poema.
Simples, mas bonito

Beijinho

Menina da lua disse...

Oi, q blog lindo o seu... palavras macias... gostei muito!

Abraço